Mas que nem as florestas do Medo, terra riquíssima,
nem o belo Ganges e nem o Hermo agitado pelo ouro
rivalize com a Itália em glórias, nem os Bactras, nem os Indos
e toda a Pancaia rica em areias que produzem incenso.

Os touros que sopram fogo pelas narinas não modificaram
estes lugares o suficiente como os dentes da terrível hidra,
e a seara não temeu homem com capacetes e lanças densas;
mas a encheram frutos pesados e o líquido (ou vinho) mássico de Baco
ocupam-na oliveiras e férteis rebanhos.

Daqui o rápido cavalo guerreiro lança-se ao campo de batalha,
daqui, Clitumno, os brancos rebanhos e o touro, vítima principal,
banhados no teu rio sagrado, frequentemente conduziram
os triunfos romanos até os templos dos deuses.

Aqui a primavera é permanente
e o calor (permanece) durante outros meses:
os gados ficam férteis duas vezes
e duas vezes a árvore é útil para os frutos.

Mas os tigres raivosos estão ausentes e as furiosas crias dos leões,
e nem os venenos enganam os infelizes que os colhem,
nem a serpente escamosa arrasta pela terra os imensos anéis
nem se recolhe em espiral encolhendo-se (ao se encolher).

Acrescente a tantas notáveis cidades e o trabalho das obras,
tantas fortalezas erigidas pela mão (do homem) em rochedos abruptos,
e os rios que escoam por debaixo das antigas muralhas.

Acaso eu recordarei o mar que banha acima e abaixo?
E tantos lagos? E tu, grande Lario, e tu Benaco,
que te levantas com ondas e um rugido do mar?
Acaso eu recordarei os portos e as muralhas colocadas junto de Lucrino
e o mar indignado pelos grandes ruídos,
por onde a onda Julia ressoa ao longe no mar que transborda
e a agitação do mar Tirreno precipita-se no orgulhoso Averno?

E esta mesma (Itália) mostrou nas veias rios de prata e minas de bronze
e escorreu (pelos rios) uma grande quantidade em ouro.
Esta gerou uma raça indomável de homens, os Marsos e a mocidade Sabina,
e o Lígure habituado à vida penosa e os Volscos armados com dardos.
Esta gerou os Décios, os Mários e os grandes Camilos,
os Cipiões endurecidos pela guerra e tu, grande César,
que agora, já vitorioso nos confins da Ásia,
repeles o Indo pacífico das afastadas cidadelas romanas.

Autor: Virgílio
Obra: Geórgicas
Trecho: Livro II, versos 136-176
Tradução: Thaíse de Almeida Silva
Imprenta: Mestrado, UFRJ, 2010.
Disponível em: http://www.posclassicas.letras.ufrj.br/images/Cursos/Td/dissertacoes/2010/201002-diss_ThaisePereira.pdf

* O texto aqui reproduzido constitui uma expressão cultural da Antiguidade latina e foi selecionado como amostra exclusivamente para fins de pesquisa. Seu conteúdo não reflete a opinião do professor responsável pela postagem.